Histórias de eventualidades, improbabilidades, bicharadas, noitadas e coisas do arco da velha que de alguma forma me acabam sempre por acontecer. Crónicas diárias com a matilha, muita bicharada à mistura, muita música e sempre com um humor caústico como muita gente gosta de o caracterizar.

09/08/2009

A Ressaca


Meia Noite - Pouca vontade de sair, mas há que cumprir os compromissos. Sento-me ao pc a pensar se me apetece sair ou ficar.
Meia Noite e Meia - Decido finalmente pôr-me a caminho, enfio a roupa do costume, t-shirt, ganga e sapatilhas, o clássico.
01:00 - Chego ao bailarico, olho em volta e nenhuma das pessoas que queria encontrar está presente. Olho em redor e imagino a seca. Penso rapidamente em abandonar o local.
01:15 - Tou na conversa com as gajas, está tudo com pouca vontade de festa (primeiro mau sinal, pouca vontade = muito alcoól).
01:20 - Chega a primeira cerveja, a primeira de muitas.
02:00 - Já com várias cervejas bebidas dirijo-me à bilheteira comprar uma nota de 10€ em senhas, não sei quantos querem é melhor abastecer.
03:00 - Estou na conversa com o Zé sobre os cães e o Brasil, as coisas começam a ficar emotivas. Cerveja continua a escorrer.
04:00 - Conversa com o Tiagão, a conversa é típica conversa de bebâdos, sobre os amigos e o caraças. Cervejas acumulam-se nas mãos, tento livrar-me de algumas despachando a colegas que vão a passar. Não resulta. A acumulação continua. A língua começa a ter dificuldades em desdobrar-se dentro da boca.
04:30 - Atacam-se os tremoços bem salgados. Mau sinal.
04:45 - Já não parecem salgados, algo se passa.
05:00 - Continua a conversa desta feita juntou-se um pequeno grupo. Recuso a primeira cerveja, os sinais são evidentes.
05:15 - Altura de sair, com pouco efeitos. Encontro algumas bebedeiras bem maiores que a minha no caminho.
05:20 - Já em casa vou-me deitar.
05:30 - A cama parece uma montanha-russa os estomâgo revolta-se.
05:35 - Expulso uma massa de cerveja e tremoços por todos os buracos respiratórios na sanita mais próxima.
Este acto surte um efeito apaziguador na cama.
13:30 - Abro os olhos, parece que morreu alguma coisa na minha boca.
13:35 - Tenho comer o cabrito no forno, o estomâgo faz revolta-se. As temporas pulsam com dor.
13:40 - Juro nunca mais beber.
13:45 - Juro nunca mais beber de novo.
13:50 - Insulto a minha inteligência.
14:00 - Fecho-me no quarto com a aspirina e água. Tento dormir.
15:00 - Não consegui dormir. Aparecem visitas, falam alto, trazem um bebé que lança guinchos que parecem facas espatadas no cérebro. Amaldiçoo a hora quem que abri a porta.
15:05 - Pedem-me para recuperar as fotos que apagaram de um cartão de memória. Insulto-os mentalmente e sento-me no pc encadeado pela luz do computador. Recupero fotografias horríveis e penso se não teria feito um favor à humanidade deixando-as apagadas.
15:10 - Insulto a psmaphois no gtalk que me quer ver de ressaca. Os meus grunhidos são traduzidos como "Morre".
15:30 - Foram-se embora, vou dormir.
16:00 - Ainda não consegui dormir.
20:00 - Acordo, cabeça doi menos, sensação de enjoo continua. Convidam-me para jantar. Declino amavelmente com uma indisposição.
21:00 - Faço as pazes com o meu estomâgo comendo cereais.

4 comentários:

Fuzhong! disse...

very typical

S. C. disse...

Infelizmente!

Ana disse...

Interrogo-me de como uma pessoa ébria pode recordar tanto pormenor temporal. Engoliste um relógio a penalti?

S. C. disse...

A escala temporal foi aproximada e reconstruída.