Histórias de eventualidades, improbabilidades, bicharadas, noitadas e coisas do arco da velha que de alguma forma me acabam sempre por acontecer. Crónicas diárias com a matilha, muita bicharada à mistura, muita música e sempre com um humor caústico como muita gente gosta de o caracterizar.

15/12/2011

Bombeirando

Não sou o Super-Homem. É verdade que quando era miúdo viajava com ele nas revistas de banda desenhada importadas do Brasil e brincava com uma toalha de praia a esvoaçar por cima de muros.
Nunca quis ser bombeiro. Enquanto os putos da minha idade, deliravam a ver os carros de fogo a passar, eu ficava transfixiado pelo clarão e pelas labaredas enquanto as cinzas do alecrim caíam do céu e o cheiro a Santo António invadia o ar. Ter-me tornado bombeiro foi, como muitas outras coisas na minha vida, uma oportunidade que se me apresentou. Havia a possibilidade de criação de um Posto de Socorro na freguesia, uma ideia que tinha vindo a amadurecer na minha cabeça e que agora que sou "político" ajudei a tornar possível. Saltei de pés juntos, afinal é sempre necessário um par extra de braços.
Nunca tinha sonhado conduzir uma ambulância, ou um carro de fogo e verdade seja dita também não tenho grande apetência pela condução agora.
"Eu não seria capaz", é o que me dizem repetidamente. Não entendo. Não sou o Super-Homem, embora tenha a tendência de me comportar como tal, de ser capaz de tudo e mais alguma coisa. Mas é uma máscara, como outra qualquer. Uma máscara que pomos para ser fortes quando alguém não é, quando precisamos de ser o pilar de outros.
O coração acelera quando vou para um serviço e estremece quando chego. Não me importo. Mau será o dia em que isso deixar de acontecer. Lá, a realidade muda. O tempo acelera com o bater do coração e ao mesmo tempo abranda para um ritmo quase insuportável com a morosidade do processo. O espaço torna-se exíguo e naquele momento tudo o que existe sou eu, a minha equipa e quem necessita.
A verdade é que gosto, gosto muito. Gosto da camaradagem, de tornar os 40 kms até chegar ao hospital um bocadinho mais suportáveis, do sorriso dos meus velhotes ao me verem chegar, de me meter no meio do mato com um tanque minúsculo de água (sim, já comecei a achar alguma graça a combater fogos florestais) e das noites mal dormidas.
No meio deste ano e tal de bombeiragem como costumo dizer, aprendi muito, cresci bastante também. Não é fácil ser bombeiro, não quero com isto fazer-me de Super-Homem. Posso bem com os meus problemas, mas custa-me, custa-me muito deixar amigos no hospital, deixar a família em casa com a coração nas mãos, olhar para o medo nos olhos de outra pessoa, de dizer "vai ficar tudo bem", dizer quando alguém me diz que vai morrer "Eu também, mas não vai ser hoje." e de largar umas lágrimas escondidas quando me deito porque sabendo que não os consigo salvar todos, fica sempre a saudade.
Eu sou bombeiro? Não, ainda não. Mas um dia, quando for grande, vou ser bombeiro.

5 comentários:

ADry disse...

Um dia eu sim, quis ser bombeira... isso e ir 'a tropa eram coisas que um dia eu queria experimentar! Não fui 'a tropa, mas um dia fui aspirante a bombeira! Durou apenas um ano... um ano que agradeço por me terem acolhido como acolheram, por ter ficado contigo no piquete, como teria dado como ''condição' vá! :p
Não digo que tenha sido a experiência que mais amei na vida, mas gostei!
Sim, tinha medo, quando o telefone tocava, o coração ficava-me logo aos pulos! Depois, se não fosse nenhum serviço, ele sossegava de alivio! :) Tinha medo, porque poderia estar-me quase que incumbida uma vida, que poderia precisar muito de mim, ou ate' menos que muito, mas precisava sempre! Felizmente foram poucas as urgências ditas urgências... bem como os serviços feitos! Mas ainda bem... sinal que não era preciso!

Hoje ja' não estou naquela casa, que quase foi a minha segunda casa, quase durante um ano! Achei que não fazia sentido e 'sai'...
Não guardo pena (pelo menos por enquanto), apenas guardo mais uma etapa, mais uma experiência que tinha de passar/ter; e guardo-a de forma positiva!

E assim foi...um dia!

S. C. disse...

Se ficou alguma coisinha foi uma experiência muito valiosa. Foi um prazer servir ao teu lado :)

ADry disse...

Claro que ficou... ;)

O prazer foi todo meu! (:
Sei que querias alguém mais alinhado e que fizesse as tuas 'formações', mas pronto... :p

S. C. disse...

Casmurrinha como tudo! Mas não faz mal. Mi gustas!

ADry disse...

Tu tb mi gustas mt! ;)