Histórias de eventualidades, improbabilidades, bicharadas, noitadas e coisas do arco da velha que de alguma forma me acabam sempre por acontecer. Crónicas diárias com a matilha, muita bicharada à mistura, muita música e sempre com um humor caústico como muita gente gosta de o caracterizar.

09/03/2008

Os ecos


Depois da barrigada de porco foi altura de ir assistir ao concerto da banda de um bom amigo que ia voltar aos palcos depois de vários anos afastados deles. A banda é Echoes of The Fallen Messiah, se o nome soa um pouco estranho é porque não estão habituados às lides de black metal. Para quem não conhece black metal é um tipo de metal com voz de autoclismo, muitas guitarras, umas teclas melodiosas e muitas referências ao anticristo, capazes de por qualquer prior a gritar heresias.
Já fazia uns anos que não assistia a um concerto de metal, acho que o último mesmo foi já em 2003 e se não me engano era um concerto desta mesma banda. Se acham estranho black metal não constar na secção de cultos deste diário é porque black metal foi uma fase. Ouvi por uns tempos, conheci umas bandas novas e tal, ouvia o que esse meu amigo fazia e pouco mais. Para o final foi ficando o gosto de visitar algumas actuações ao vivo, mas na playlist não consigo suportar mais de 15 minutos seguidos. Não que por falta de qualidades da música, mas porque só consigo aguentar a voz de descarga de autoclismo por esse tempo até os tímpanos começarem a dar sinal si.
A ida ao concerto fez-me retornar aos tempos de universidade e de headbanging. Não nunca tive cabelo comprido, e headbanging foi talvez a única coisa que me fez equacionar a hipótese. É muito mais "fixe" quando se tem uma farta cabeleira que se faz girar até ficarmos zonzos. Desta vez no entanto o álcool ficou afastado, já que o porco comido anteriormente dava sinais de ressuscitação a bebida de eleição foi então a já famosa água de arrotar, que para quem não conhece é a água das Pedras (como alguém me pediu quando trabalhava no restaurante e tive de perguntar o que raio era água de arrotar).
Do concerto ficou os amigos reencontrados, a boa música, (sim eu sei, é relativo mas eu gostei bastante e até tocaram as minhas duas favoritas), os momentos bem passados e os ouvidos a zunir.
Bem, acho que já chega de tanto escrever que já não estou a fazer sentido, para quem quiser conhecer a banda podem fazê-lo aqui.

2 comentários:

[adriana oliveira] disse...

Coucinheira??? Mas que é isso? E ainda gozam com Sangalhos.. Ele há coisas que ninguém consegue explicar :) *

S. C. disse...

Tens de admitir, aí na zona de Aveiro são os reis dos nomes de lugares estranhos! Oiã!